Aline Chuvas | A decisão de Expandir a Consciência e a eventual sensação de solidão. O que está acontecendo?
Aline Chuvas, Terapeuta Holistica , Tarô, Tarô cigano , Reiki, Aromaterapia , Mesa Metratônica, Taróloga, Belém do Pará, Pará
635
post-template-default,single,single-post,postid-635,single-format-standard,qode-quick-links-1.0,ajax_fade,page_not_loaded,,qode-title-hidden,qode_grid_1300,hide_top_bar_on_mobile_header,qode-content-sidebar-responsive,transparent_content,qode-theme-ver-11.0,qode-theme-bridge,wpb-js-composer js-comp-ver-5.1.1,vc_responsive

A decisão de Expandir a Consciência e a eventual sensação de solidão. O que está acontecendo?

Em minha experiência nesses anos de busca por minha reforma íntima, expansão da consciência e me transformar numa melhor versão de mim mesma, eu tive uma percepção muito clara da alta rotatividade de pessoas ao meu redor, o que para uma canceriana que gosta de se apegar, pode ser algo um tanto quanto desconfortante. Em um momento eu tinha vários amigos, até mesmo amigos de anos e em outro… eu tinha bem menos amigos, não tinha mais o mesmo grau de amizade com eles, estavam entrando pessoas novas na minha vida que eu não sabia se daria para trocar algo sobre minha intimidade, meus anseios, e em vista de tudo isso, notava que parecia que eu estava sozinha… e a pergunta que não encontrava resposta era: O que está acontecendo? Resolvo criar consciência e algumas pessoas se afastam, outras noto que não estão sendo sinceras e não consigo mais estar a vontade com a amizade delas, o que faço?

Em anos de atendimento em consultório, comecei a perceber que essa mesma situação estava acontecendo com algumas pessoas as quais procuravam meus atendimentos. Num momento eram pessoas cheias de amigos e ao começarem a buscar a sua melhora íntima, a meditar, a fazer uma yoga, simplesmente se viam sozinhas. E elas vinham me fazer a mesma pergunta que por algum tempo eu repeti em minha mente: O que estava acontecendo com elas?

Na verdade, quando tomamos a decisão de sermos pessoas em busca de consciência, de nos tornarmos pessoas melhores, nós emitimos para o universo uma frequência diferente daquilo que estávamos emitindo até então. Tudo funciona a partir de frequências energéticas e essa lei, por assim dizer, funciona em tudo, inclusive nas relações que temos na nossa vida.

Não é raro, durante essa mudança de padrões energéticos, perceber situações onde não se consegue mais ter assunto com algumas pessoas, não sentir mais atração em frequentar lugares que antes pareciam tão legais, não ter mais graça sair com aquelas pessoas, e em alguns casos, se estende até mesmo dentro de relacionamentos amorosos, onde a relação pode vir a ser finalizada. E tudo isso faz parte de algo que chamamos de ciclos, onde suas finalizações acabam sendo mais percebidas quando se consegue passar pela evolução, que foi auto atribuída a cada um de nós.

Para ficar mais fácil de compreender, vamos pensar num jogo de vídeo game. Durante aquele jogo, você enfrenta desafios, passa por várias fases, encontra novos amigos, perde amigos que o apoiavam, até você conseguir zerar o jogo. Qual seria a graça de ficar todas as vezes repetindo as mesmas lições? Na vida é a mesma coisa, porém se você é uma pessoa muito apegada vai sentir de forma mais drástica tudo isso. Mas se há algo muito importante para se entender aqui é que tudo na nossa vida tem seu momento certo, e todos os desafios, amizades e pessoas estão ali para contribuir com nossa caminhada de alguma forma. A questão é, quando elas não contribuem mais significa que de fato elas fizeram a missão delas conosco e agora precisam fazer parte de outros ciclos, e, está tudo bem. Outras vezes elas se afastam porque podem achar que você se tornou uma pessoa chata já que não topa mais as mesmas programações de antes, e também está tudo bem. Ou até mesmo há falta de assuntos entre vocês, pois antes ela te procuraria para falar sobre a vida de todas as outras pessoas que vocês conheciam e nesse momento nada disso mais importa para você… e aí chegam a conclusão que não existe mais assuntos em comum para tratar, e está tudo bem. Não precisa ficar chateado por essas pessoas não fazerem mais a diferença na sua vida. Você está mudando e indiretamente também dando a oportunidade dessas pessoas mudarem, claro, se assim elas quiserem.

E depois de tudo isso, vem a sensação de estar sozinho. Quer dizer então que busco a minha melhora ao preço de ficar sozinho? Sim e não. Sim, porque nascemos sozinhos e transitamos sozinhos, e não porque somos seres que embora sozinhos, fomos programamos para a vida em comunidade e esse período é apenas uma fase enquanto você se conhece melhor até que ao emitir essa nova frequência para o Universo, você volte a atrair nesse momento pessoas que tem a vibração energética mais parecida com aquela que você tem agora. Mas isso não significa que mais a frente você não reencontre alguma amizade que havia ficado para trás por sua mudança vibracional. Se ela estiver no mesmo padrão energético que o seu, logo mais vocês se reencontrarão novamente.

Caso você seja o arquétipo Eremita, daqueles que prefere ficar sozinho, não se julgue. Está tudo certo em querer ficar sozinho, em preferir a sua própria companhia e estar feliz com isso. O importante é exatamente essa última parte, estar feliz com isso!

Tudo o que vivenciamos, é porque precisa fazer parte de nossa experiência, inclusive em alguns momentos ficar sozinho. Porém se essa solitude estiver além daquilo que você poderia aguentar, não deixe de procurar um terapeuta ou profissional da área para que você possa desabafar e trocar uma idéia sobre seu momento e seus anseios. Todos estamos evoluindo juntos. Todos Somos Um!

Namastê!

Aline Chuvas é Taróloga ,Terapeuta Holística com habilitação em várias técnicas terapêuticas.

Facebook:https://www.facebook.com/alinechuvasterapias/

Instagram:@alinechuvas

Consultas de tarô, agendamento de atendimentos terapêuticos: alinechuvas@hotmail.com

 

 

Nenhum comentário.

Postar comentário